O Dia Mundial do Bipolar é o dia 30 de março, data do nascimento de Vincent Van Gogh, que foi postumamente diagnosticado como portador de Transtorno Bipolar.

O objetivo do Dia Mundial do Bipolar é trazer informação à população sobre os transtornos bipolares , reduzindo o preconceito.

O transtorno bipolar é uma distúrbio cerebral que leva a mudanças no humor, na energia, nos níveis da atividade e na habilidade de realizar tarefas do dia a dia.

Os sintomas do transtorno bipolar são graves e diferentes dos altos e baixos normais que todo mundo possa ter. Estima-se que a prevalência global de transtorno bipolar esteja em torno de 4 % da população conforme relato da Organização Mundial da Saúde.

É a a sexta maior causa de deficiência ou incapacitação no mundo.

A atenção a esses pacientes deve ocorrer sempre, mesmo quando eles se acham bem e que não se sentem doentes. Esse grupo tem 19% de mortes causadas por suicídio. Isso significa trinta vezes mais chances de suicídio de que qualquer outra pessoa.

O diagnóstico deve ser feito por um psiquiatra, que fará entrevista detalhada da história de vida desse paciente. O tratamento deve ser imediato para combater a alteração neurobiológica que se manifesta no comportamento.

Existem em algum momento de vida desses pacientes episódios depressivos. Geralmente a procura de ajuda profissional ocorre nesse momento. A depressão é caracterizada por tristeza, dificuldade de organização, dificuldade de planejamento, falta de energia, falhas de memória, dificuldade em se concentrar, dores, insônia etc.

Na fase de euforia ou mania, temos humor eufórico ou expansivo, insônia e com necessidade de poucas horas de sono, irritabilidade, raiva, hiperatividade (se envolve em diferentes atividades ao mesmo tempo), busca de atividades prazerosas, impulsividade (muitas das vezes se lançam em  projetos mais ousados), maior gastos em  compras, maior ingesta de  álcool ou  drogas, prejuízo do senso de perigo, aumento de energia física ou do pensamento, maior necessidade de sexo (aumento da libido), sintomas psicóticos (nos casos, mais graves), entre outros. Existem também os quadros de hipomania, que são os sintomas da euforia (sem sintomas psicóticos) de forma mais branda.

O curso é muito variado. Pode haver ciclos rápidos ou ciclos bem determinados com fases de ausência de mudança de humor no decorrer dos anos. Existem os estados mistos em que podem ocorrer esses sintomas ao mesmo tempo. Por exemplo, queixa de depressão, mas também relata pensamento acelerado. Nesse caso é muito comum ter confusão diagnóstica, porque normalmente o paciente relata apenas a depressão. 

Se o médico não for experiente não investiga os outros sinais, como o pensamento estar muito rápido. Com isso muitos são  tratados erroneamente como apenas um quadro de  depressão. Isso só faz piorar o seu quadro, pois nesse caso na maioria das vezes se utiliza apenas o antidepressivo.

O tratamento consiste em tirar o paciente da mania ou da depressão na fase aguda em um primeiro momento. Depois é preciso manter o paciente estável, sem oscilar nas mudanças de humor. Nesse caso, utilizam-se os estabilizadores de humor.

Os estabilizadores de humor são sais de lítio, alguns anticonvulsivantes (divalproato, lamotrigina, carbamazepina, oxcarbamazepina) ou antipsicóticos atípicos (risperidona, aripiprazol, quetiapina).

Como a maioria dos pacientes demora muito a receber o diagnóstico e o tratamento correto,  demora um pouco para se definir o melhor estabilizador de humor ou a melhor associação deles para cada paciente.

É fundamental estar associado uma terapia para que possam ser trabalhados aspectos psicológicos e estressores, associado a uma psicoeducação do Transtorno Afetivo Bipolar. Nessa parceria Psiquiatria e Psicologia é muito importante que ambos estejam trabalhando em sintonia para estabilidade do quadro de bipolaridade do paciente.

O tratamento é para toda a vida, pois se trata de uma doença neurobiológica. Outras dicas importantes, além de aliar o tratamento psiquiátrico e o psicológico do Transtorno Afetivo Bipolar, é evitar ingesta álcool, nunca usar drogas, sempre dormir bem, atividade física regular e evitar os estressores psicológicos e ambientais determinados na terapia.

Publicado por Elizabete Possidente

Formou -se em Medicina em 1994. Foi médica residente do Instituto de Psiquiatria da UFRJ de 1995 a 1996. Defendeu Mestrado em 1997 a 1999 pelo Departamento de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. Durante muitos anos foi supervisora de Psiquiatria pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Foi médica perita em Psiquiatria no Manicômio Heitor Carrilho pela Vara de Execuções Penais da Secretaria Estadual de Justiça. Foi médica Psiquiatra e perita em Psiquiatria pelo Ministério da Defesa no Hospital Central do Exército e pela Auditoria Militar. Foi médica Psiquiatra e chefe do serviço de Saúde Mental da Policlínica Newton Alves Cardoso. Tem diversos artigos publicados em revistas médicas. Diversos trabalhos publicados em congressos nacionais e internacionais. Está sempre se atualizando e participando de eventos médicos nacionais e internacionais em Psiquiatria.

Se junte à conversa

1 comentário

  1. Muito importante tema e de uma complexidade que necessita profissionais realmente capacitados! Dra.Elizabete é este diferencial.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: