Balenciaga É Acusada de Incitar á Pedofilia

Autora: Elizabete Possidente

A marca de luxo Balenciaga foi acusada de incitar a pedofilia em sua recente campanha de primavera nas redes sociais.  

A grife espanhola mostra fotos de crianças segurando pelúcias vestidos com roupas comuns nas práticas sadomasoquistas. 

A marca Balenziaga já foi alvo de outras polêmicas anteriormente. Entretanto, dessa vez as acusações são extremamente graves: incitação à pedofilia e abuso infantil. 

Com toda a razão, houve uma série de publicações indignadas por mostrar crianças com bolsas de ursos de pelúcias com acessórios de temática sadomasoquistas, além de outros detalhes, como livros e documentos da Suprema Corte que naturalizam a pornografia infantil.

Uma das fotos contém o livro do artista Michael Borremans, quem tem como trabalho mais famoso a obra “Fire From The Sun”, onde crianças estão nuas em uma espécie de ritual.

Em outra foto há um documento da Suprema Corte dos Estados Unidos, que é  uma decisão que reverte uma parte significativa da Lei de Prevenção de Pornografia Infantil de 1996, com a justifica da liberdade de expressão.

A marca tirou a campanha do ar e apagou todas as publicações do seu Instagram.

Não podemos achar isso normal. Vocês não acham?

Um Monte de Exames e um Diagnóstico Absurdo

Autora: Elizabete Possidente


É crescente o número de exames desnecessário a pacientes. O próprio Conselho Regional de Medicina refere que vem aumentando o número de sindicância referentes á solicitação excessiva de exames. Exemplos são as solicitações relacionados a medicina ortomolecular, antianging, antroposófica e de performance esportiva.
Todo dia chega pacientes com uma pilha de exames e de formulações que foram prescritas após realizar algum exame que detectou uma deficiência.
Nesse artigo em anexo o autor faz as críticas sobre esse excesso de exames e compara a falácia do atirador do Texas.
Leia para compreender a minha indignação diante de alguns casos que vejo há minha clínica.

CREMERJ Normatiza a Validade da Solicitação de Exames Complementares no Rio de Janeiro

Autora: Elizabete Possidente

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro – CREMERJ, ressalta que nenhum médico pode realizar algum pedido de exame sem a data. Refere que o descumprimento dessa norma acarretará numa convocação a prestar esclarecimentos no CREMERJ.

Segue abaixo a resolução na íntegra.

A resolução CREMERJ nº344/2022 publicado no Diário Oficial da União em 1 de julho de 2022 na seção 1 na página 307 resolve:

Art. 1º Normatizar a validade das solicitações de exames complementares no Estado do Rio de Janeiro.

Art. 2º A critério do profissional médico, a depender das necessidades do paciente atendido, as solicitações de exames poderão ter validade de até 180 (cento e oitenta) dias, a contar da data de sua emissão.  

Parágrafo único. Quando o médico optar por estipular a validade, esta deverá ser consignada por extenso na solicitação de exame(Revogado Pela Resolução CREMERJ nº 338/2022)

Art. 4º Fica vedada a solicitação de exames sem data.

Art. 5º A presente Resolução passa a vigorar na data de sua publicação.

Resumindo o médico no Estado do Rio de Janeiro está proibido a pedir exames complementares sem data e os planos de saúde devem aceitar até o prazo de 180 (cento e oitenta ) dias, a menos que o médico deixou escrito que deva ser outro prazo de limite.

https://www.cremerj.org.br/resolucoes/exibe/resolucao/1502;jsessionid=DD669EB33DB32E4CDF442503B04AFF17

Nota de Esclarecimento da ABN Sobre a Matéria : “Cannabis: idoso tem reversão de sintomas do Alzheimer com óleo da planta”.

Autora: Elizabete Possidente e Giuliana Possidente

A Academia Brasileira de Neurologia em nota de esclarecimento (anexo ao final) se manifestou em relação à matéria publicada por alguns veículos de imprensa em 26/09/2022, intitulada “Cannabis: idoso tem reversão de sintomas do Alzheimer com óleo da planta”.

A notícia relatava um caso de um paciente de 78 anos diagnosticado com doença de

Alzheimer e que teve seus sintomas supostamente revertidos, com “melhoras no humor, sono e memória, além de a doença se manter estável” após iniciar um experimento com extrato composto por

THC (Tetrahidrocanabinol) e CBD (Canabidiol). Essa mesma reportagem citava que havia mais de 28 casos com resultados semelhantes após 6 meses de tratamento.

Entretanto a matéria não explica que não se pode falar de eficácia ou de não eficácia de tratamento apenas com relatos de casos. É necessário ocorrer diversos ensaios clínicos controlados com placebo antes de se obter conclusões sobre a eficácia ou não de tratamento. É imperativo utilizar dois grupos de pacientes que têm a patologia. Um grupo é selecionado por sorteio para receber o medicamento enquanto o outro recebe um placebo (produto sem efeito no tratamento). Nem os pacientes nem os médicos podem saber quem está tomando o medicamento em teste ou o placebo. Os pacientes e os médicos só sabem quem tomou o medicamento apenas após o fim do estudo (seis meses, um ano ou mais).

Se não for dessa forma os resultados podem ser apenas uma coincidência. No artigo também não se fala de possíveis efeitos colaterais e não sabemos se houve ou não.

De qualquer forma, é uma irresponsabilidade fazer uma chamada dessa na mídia sem ter a comprovação científica de eficácia. Pode ter sido apenas um mero acaso.

O uso de canabinóides para o tratamento de condições neurológicas é atualmente alvo de intensa

pesquisa, com resultados não uniformes até o momento.

Especialistas da Academia Brasileira de Neurologia no período científico Arquivos de Neuropsiquiatria (Brucki SMD et al.Canabinoids in Neurology. Arq. Neuro-Psiquiatr. 79 (04) • Apr 2021) publicaram em 2021 um painel que refere a ausência de evidência científica que apoia o uso do THC ou do CBD como tratamento de sintomas cognitivos ou neuropsiquiátricos da doença de Alzheimer.

 Todos estamos na expectativa de que surjam pesquisas que obedeçam o rigor metodológico com grandes amostras para que tenhamos conclusões.

https://www.abneuro.org.br/2022/09/28/

Os Preocupantes Possíveis Efeitos Colaterais do Mal Uso do Zolpidem

Autora: Elizabete Possidente

A reportagem vinculada no programa Fantástico da Rede Globo sobre o zolpidem não é uma novidade para os médicos prescritores. O FDA já tinha publicado há alguns anos um alerta sobre os medicamentos para dormir zolpidem, eszoplicone e zaleplon que podem provocar comportamentos bizarros quando mal utilizado.

Se pesquisar nas redes sociais vão encontrar diversos relatos de pessoas que tomaram uma dessas pílulas para dormir e que fizeram coisas estranhas. Algumas falam de ter ido à cozinha para comer, ligado para amigos, postados coisas na internet, feito compras e até saído de casa, sem lembrança alguma do feito. Outros já referiram ter alucinações visuais em uso dessas substâncias.

Antes de condenarem esse medicamento entenda que a substância é segura desde que administrada corretamente com a recomendação médica. O remédio precisa ser utilizado na cama, sem nenhum outro estímulo. Como digo aos meus pacientes, apaga a luz, sem eletrônicos e aí sim pode-se usar a pílula.

Aqui no Brasil temos na forma sublingual e oral na dosagem de 5 mg e 10 mg com efeito mais rápido, ou seja, aqueles que tem dificuldade apenas para iniciar o sono. Também temos na dosagem de 6,25 mg e 12,5 mg com a liberação prolongada para aqueles que precisam do efeito durante toda a noite, sofrem com diversos despertares noturnos ou acordam no meio da madrugada. Portanto, o zolpidem é destinado ao tratamento de insônia ocasional, transitória ou crônica, tanto para aqueles que tem dificuldade para adormecer ou para aquelas que tem dificuldade de permanecer dormindo.

O consumo do zolpidem sem a indicação e orientação médica pode provocar tolerância, dependência ou essas situações de sonambulismo ou amnésia.

É muito chocante sabermos que muitas farmácias vendem sem receita ou dispensam um número maior de caixas do que o prescrito pelo médico assistente.  Isso mesmo com o conhecimento de se tratar de uma medicação de receita controlada. Assim como também numa rápida pesquisa nas redes sociais vemos relatos de mal uso para obter efeito alucinógeno, o “barato”.

Para a maioria das pessoas no nosso país dormir a noite toda é considerada um artigo de luxo. A insônia é uma queixa comum encontrado na maioria dos consultórios médicos.  

Segundo a Associação Brasileira de Sono (ABS) cerca de 73 milhões de pessoas sofrem de insônia no país.  

Se você sofre de insônia não deve ter medo de buscar o tratamento. Não dormir bem aumenta a chance de doenças cardiovasculares, obesidade, dislipidemia, hipertensão arterial, ansiedade, fadiga, desatenção, envelhecimento precoce, baixa imunidade, depressão e risco de morte. Além de aumentar a chance de acidentes domésticos, automobilísticos e de trabalho.

Deve-se buscar o médico para realizar o diagnóstico e a indicação do melhor tratamento para a sua condição clínica. O profissional avalia os aspectos emocionais, a história de vida e de hábitos que possam contribuir para a insônia.

Sempre a primeira linha de tratamento é a Terapia cognitivo comportamental que envolve, medidas de higienização do sono, técnicas de relaxamento e de controle de estímulos que mantém a vigília.

Nos casos sem resposta a essas medidas é indicado o tratamento farmacológico. É imperativo avaliar se a insônia não está sendo sintoma de uma doença psiquiátrica, tais como depressão, ansiedade, TDAH e bipolaridade. Nesses casos é necessário iniciar o tratamento da patologia para melhora da insônia.   Como se fosse uma febre que faz parte de um quadro de pneumonia, por exemplo. Nesse caso não adianta ficar utilizando apenas o antitérmico porque precisará tratar a pneumonia com antibiótico.

Se você sofre de insônia agende o médico para a avaliação da insônia e já invista na higienização do sono.   Se após essas medidas o seu médico recomendar um medicamento não tenha medo e tire as suas dúvidas diretamente com ele em consulta.

Pode falar?

Autora: Elizabete Possidente

A UNICEF e outras instituições brasileiras (como o CVV) lançou o programa *Pode Falar*. Se trata de um *canal anônimo de escuta* destinado a adolescentes e jovens entre 13 e 24 anos que sabemos que não gostam de falar ao telefone. .

O objetivo é de de diminuir a violência , abuso infanto-juvenil, autolesões e tentativas de suicídios.

Vamos divulgar esse projeto?

http://www.podefalar.org.br

Rede Social X Sono

Autora: Elizabete Possidente

Estudiosos canadenses publicaram pesquisas recentes que mostram que apenas uma hora de uso da rede social por dia causa um prejuízo na qualidade e na quantidade de sono.

A luz azul emitida pelos dispositivos eletrônicos eleva o estado de alerta. Também existe o fator psicológico de fazer algo que excita a mente durante todos os dias.

Ou seja, o estímulo das redes sociais faz com que nunca descansemos apropriadamente.

Katy Bowman, especialista em biomecânica e autora de Move Your DNA diz ser um paradoxo do mundo moderno que façamos menos atividades físicas do que antes e, que mesmo assim nunca tivemos tão pouco tempo livre. Achei o seu depoimento bastante impactante e reflexivo para todos.

Os estudos recomendam uma desintoxicação tecnológica inicial. Depois o retorno ao uso das redes limites de tempo estabelecidos. Certamente essas medidas ocasionaram uma melhor noite de sono e se menor fadiga ao despertar. Fica a dica para todos nós.

Apresentação Oro-dispersível. Qual é a vantagem?

Autora: Elizabete Possidente

As indústrias farmacêuticas vêm desenvolvendo formulação de medicamentos que sejam funcionais e que oferecem maior margem de segurança e tolerabilidade. Assim, surgiram os comprimidos orodispersíveis que vem se destacando em relação a administração por via oral.  

Os comprimidos orodispersíveis ou ODTs, do inglês orally disintegrating tablets, foram desenvolvidos para desintegra-se rapidamente na saliva, sem a necessidade de ingestão de água. Essa forma de ação ocasiona uma maior biodisponibilidade e um início de ação mais rápido.

Destaco algumas vantagens na administração orodispersível:

  • Administração rápida e fácil, sem necessidade de ingestão de água.
  • É de fácil administração para idosos, pessoas acamadas, pacientes com disfagia e crianças que têm dificuldade na deglutição.
  • Absorção e início de ação mais rápido.
  • Há desintegração rápida na saliva, que leva a maior adesão ao tratamento.
  • A absorção é pré gástrica, reduzindo a demanda hepática. Muitos pacientes tomam diversos fármacos que são metabolizados no fígado e é uma boa alternativa para poupar esse fígado.
  • Sem necessidade de mastigar para garantir a absorção.
  • Pode ser melhor tolerado se o paciente apresentar náusea importante.
  • Pode ser útil quando é preciso verificar se o remédio foi tomada e o paciente esconde o remédio na bochecha.

O comprimido orodispersível é uma forma farmacêutica para muitos fármacos, propiciando uma ação mais rápida, sem a necessidade de ingesta de água e assim sendo mais fácil de administrar em qualquer lugar e a qualquer hora, possibilitando uma maior adesão ao tratamento, especialmente no caso de pacientes que têm dificuldade na deglutição.  

Dicas de Como fazer Provas Objetivas

Autora: Elizabete Possidente e Giuliana Possidente

Ao enfrentarmos uma prova importante em nossas vidas, é bastante comum sentirmos um medo no momento da prova e até uns dias antes. Todos nós já passamos por isso e é claro que um pouco de apreensão nos ajuda a mantermos focados e corrermos atrás do que desejamos. Se não fosse um pouco de adrenalina nos acomodaríamos na nossa zona de conforto e ficaríamos abaixo do nosso potencial e sempre frustrados.

A verdade é que não tem uma fórmula pronta para combatermos esse friozinho na barriga, mas não custa nada seguir algumas dicas que ajudam a realizar uma boa prova.

Manejo do tempo

A maioria das provas decisivas na vida, como por exemplo, concursos públicos e vestibulares, são provas de múltiplas escolhas.

Nas provas de múltipla escolha é necessário separar um tempo para fazer as questões e outro para marcar o cartão resposta.

Geralmente recomenda-se cerca de 20 a 30 minutos para realizar o cartão resposta com tranquilidade, assim evitando erros por falta de atenção.    

Sabe-se que faz bem ao cérebro realizar pausas a cada 50 minutos, aproveite para as necessidades de ir ao banheiro, lanche ou água.

Com isso você precisa subtrair do total de horas da prova 20 a 30 minutos para o cartão resposta e 10 minutos para eventual pausa do banheiro.

Depois pegue o tempo restante da prova e divida pelo número de questões.

Fazendo dessa forma uma prova de 5 horas de duração teriam cerca de 2 minutos e quarenta segundos para cada questão. Lembrando-se que esse tempo seria a média para cada questão e nem todas você leva o mesmo tempo fara resolvê-la.  Algumas tem resultado rápido e outras se perde um pouco mais de tempinho nela. Vai com calma e vai treinando nos simulados em casa.

O que fazer ao receber a prova?

Primeiro passo ao receber a prova é sempre verificar se o caderno está completo. Confirme se tem todas as páginas e questões. Depois leia as instruções e deem uma espiadinha nas perguntas.  Isso porque mesmo sem perceber o seu cérebro já vai buscando conteúdo armazenado a partir de palavras chaves que o seu cérebro captou.  

Depois partir para fazer a prova.

Como realizar as questões?

  • Primeira Passagem

Inicialmente leia o enunciado com atenção mesmo que seja enorme. Marque com a caneta dados importantes desse enunciado.

Circule a pergunta, principalmente se tem expressões como exceto, correta, incorreta, mais provável, melhor resposta.

As questões que você tem certeza da resposta, circule o número correspondente. Isso vai poupar tempo na revisão da prova.

As questões que têm dúvidas marquem com um símbolo grande. Risque a opção que tem certeza de que não está certa.  

É obrigatório ler todas as opções de respostas. As provas costumam ter pegadinhas. Professores de cursos preparatórios comentam que mais comumente é na alternativa A.  

Caso nas opções de respostas tenham alternativas opostas, certamente uma dessas deve ser a resposta.

Dificilmente a resposta contém expressões, como “nunca”, “sempre”, “todos”, “todo”.

  • Segunda Passagem

Depois que fizer todas as questões da prova, repasse aquelas que ficou com dúvidas (as que não estão circuladas). Volte primeiro as que estão na área que tem mais domínio da prova.

Se mesmo no final de segunda ou terceira passagem (quando tem tempo) e não sabe a resposta faça um “chute consciente”.  Se nas opções tiverem combinações sublinhe os termos que mais aparecem, provavelmente uma dessas será a certa.

Cartão Resposta

Marque com atenção a resposta no cartão.

Se mesmo assim perceba que errou ao marcar no cartão, não se desespere, respire com calma e diga para você é importante passar e não precisa gabaritar a prova. Afinal você só quer uma vaga mesmo.

Em Época de Extremos Opostos

Autora: Elizabete Possidente

Um estudo da Universidade de Cambridge mostrou que pessoas com atitudes extremistas tendem a ter problemas com atividades mentais complexas, que exigem um raciocínio organizado e profundo. A pesquisa foi publicada no periódico científico Philosophical Transactions of the Royal Society B.

Os extremistas são mais impulsivos e mais lentos no processamento de informações perceptivas. Independente se o extremismo seja de direita ou de esquerda há dificuldades em realizar tarefas cognitivas mais complexas apesar da tolerância grande ao risco. 

Nesse estudo participaram 522 extremistas. Eles passaram por 37 tarefas cognitivas e 22 testes de personalidade na primeira fase. Depois partiram para a etapa seguinte que era de responder um questionário sobre crenças políticas.

Os pesquisadores identificaram que o extremismo nos 2 lados do espectro apresentavam falta de flexibilidade cognitiva, ou seja,  dificuldade da capacidade de pensar sobre conceitos simultaneamente ou alternar entre formas de pensar.

É sabido que pessoas com pouca flexibilidade cognitiva tendem a  dificuldade na adaptação de tarefas que mudem no decorrer do trajeto. 

Como a Analice Gigliote em seu artigo publicado na revista Veja refere que o cérebro dessa pessoa funciona como se fosse “blindado” a qualquer convicção ou reflexão diferente. Ou seja, nada é capaz de provocar uma reflexão para possível mudança de opinião.

Agora imagina isso reverberado pelas redes sociais e fake news? 

Leia mais em: https://vejario.abril.com.br/coluna/analice-gigliotti/em-tempo-de-polarizacao-tao-importante-quanto-saber-perder-e-saber-ganhar/

CFM Abrirá Consulta Pública Sobre o Canabidiol

Autora: Elizabete Possidente

Após seis dias de restringir o uso de canabidiol à duas patologias, o Conselho Federal de Medicina (CFM) abriu uma consulta pública referente ao uso da substância.

A decisão anterior, que restringia o uso, se apoiou em mais de seis mil artigos científicos, mundialmente reconhecidos. Ainda afirmou que não se conheciam efeitos colaterais, possíveis interações com outras substâncias e o potencial para dependência. Afirmou também não ter encontrado estudos randomizados, duplo-cegos e multicêntricos que comprovem a eficácia do uso de nenhum canabidiol em outras patologias. A Associação Brasileira de Psiquiatria apoiou essa resolução do CFM,afirmando que até o momento não há nenhum estudo de comprovação científica da eficácia e da segurança do emprego de canabidiol em doenças psiquiátricas. Não faz sentido dias depois o CFM iniciar uma consulta à população sobre o uso, decisão que deveria ser baseada nos preceitos elencados pelo próprio conselho anteriormente. É de causar muito estranheza essa mudança tão repentina e em tão pouco tempo.

Nem sempre houve esse rigor para liberação de medicamentos. Isso mudou depois que diversas crianças nasceram com má-formação pelo uso da talidomida pela mãe. A partir daí foram criados critérios para tentar ao máximo evitar que isso ocorresse.

Muitas pessoas culpam um suposto lobby da indústria farmacêutica para a não liberação do uso do canabidiol, o que para mim é uma grande bobagem. Essa liberação traria aos laboratórios a possibilidade de investimento, desenvolvimento, produção e venda do medicamento. Essas mesmas pessoas não percebem que o canabidioltambém está sendo produzidos por indústrias de menor porte e confiabilidade, se comparadas às grandes do setor. No momento não vemos multinacionais conhecidas no mundo todo, como por exemplo Pfizer, Abbott, Merck e Roche, venderem o medicamento. Não faz sentido algumas pessoas pensarem que esses players não querem aumentar seu lucro como qualquer outra entidade com fins lucrativos. Por acaso o cabidiol seria distribuídogratuitamente nas farmácias? Claro que não.

Também não entendo o porquê de não cobrarmos o rigor científico nessa decisão. Por que essas empresas não estão investindo nessas pesquisas? Por que preferem gastar dinheiro na divulgação e mídia não especializada? Seria perfeitamente possível realizar esses estudos e apresentar resultados conclusivos, nesse caso não haveria nenhum questionamento. 

Fica uma dúvida no ar sobre o motivo da maioria dos canabidióides entrarem na Anvisa para serem liberadas como suplemento alimentar e não como medicamento. Parece claro que o motivo é fugir das regras mais rígidas de liberação para uso. O mesmo ocorre no FDA.

Será que estamos falando de um assunto em que a população deva ser ouvida? Será que existem informações suficientes e bagagem de conhecimento técnico para um leigo opinar sobre um tema que tem tão grande polêmica no mundo científico? Não estamos falando sobre nada estético ou que dependa de opinião ou gosto pessoal, mas sim do uso de uma substância química, que pode afetar de maneira importante a saúde de um indivíduo.

Fico imaginando se no século passado se ouvisse a população sobre a ingesta de determinada dose de bebida alcoólica para tratar a ansiedade, por exemplo. Acredito que a maioria iria responder que é eficaz e é natural. Depois se descobriria que causa dependência, afeta fígado, mata neurônios, além de muitos outros efeitos colaterais.

Segue em anexo o esclarecimento do CFM aos médicos e aos brasileiros sobre a mudança de posição.

Conselho Federal de Medicina (CFM) Atualiza a Prescrição de Canabidiol como Terapêutica Médica

Autora: Elizabete Possidente

Segundo a Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) publicada em 14 de outubro de 2022, os médicos só poderão prescrever o canabidiol para dois tipos de epilepsia, ficando proibido o uso do produto para outras doenças, bem como da planta in natura ou outros derivados dela para uso medicinal.

O CFM após revisões científicas sobre as aplicações terapêuticas e a segurança do canabidiol de publicações feitas de dezembro de 2022 a agosto de 2022 concluiu que até o momento só tem efeitos positivos na prescrição do canabidiol em síndromes convulsivas, como Lennox-Gastaut e Dravet.

A Associação Brasileira de Psiquiatria se posicionou corroborando com as informações contidas no documento do CFM de 14/10/2022 em 17 de outubro de 2022. A ABP reforçou que “não há nenhum registo em nenhuma agência reguladora internacional de nenhum canabinóide para tratamento de nenhuma doença psiquiátrica”.

Por fim, tanto o CFM como a ABP referem que “pesquisas sobre o canabidiol devem continuar, assim como  estudos sobre os efeitos colaterais e a probabilidade de dependência também devem ser realizados e intensificados”.

Dia Mundial da Saúde Mental – 10 de outubro

Autora: Elizabete Possidente

Todo dia 10 de outubro é celebrado o Dia Mundial da Saúde Mental. É o dia que há divulgação e conscientização da importância da saúde mental em todo o mundo. A cada ano um tema é escolhido para que se tenha debates e estratégias voltadas a valorização e redução do preconceito.

O tema deste ano é “Fazer da saúde mental e do bem-estar para todos uma prioridade mundial”. Sabemos que a pandemia contribuiu para um aumento estimado em 25% de sintomas de depressão e ansiedade nas pessoas e cada vez surge mais cedo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) refere que teve um aumento exponencial de doenças psiquiátricas pelo consumo e abuso de álcool entre os adolescentes em todo o mundo.

É importante pais, educadores e a sociedade como um todo de combater essa ingesta de álcool e criar estratégias para divulgar os riscos associados diretamente ao consumo de álcool e aos indiretos, como aumento de doenças sexualmente transmissíveis, surgimento de outras doenças psiquiátricas, maior número de acidentes, e vulnerabilidade a abuso sexual,  violência, uso de outras drogas e tentativas de suicídio.  

Sabemos que 80% dos adolescentes entre 15 e 19 anos referem uso ocasional de álcool. Esse fato eleva a possibilidade desse jovem se tornar um dependente de álcool no decorrer da vida.

Infelizmente a OMS refere que 2/3 dos países membros dizem investir em políticas de saúde mental nos cuidados de atenção primária. Entretanto, quando se analisa minuciosamente percebe-se que menos de   11% fornecem informações de psicoeducação, tratamento farmacológico ou psicoterapia na atenção básica.

Os países devem reforçar os cuidados à saúde mental e a resposta psicossocial em emergências humanitária, nomeadamente durante a Covid-19 por impactar negativamente  crianças em idade escolar.

A campanha tem como objetivo aumentar significativamente o apoio às necessidades de saúde mental , é mais importante que nunca.

Por isso, a campanha do Dia Mundial da Saúde Mental tem como objetivo aumentar os investimentos em favor de saúde mental pelos nossos governantes e por cada um de nós.

Suicídio Entre Jovens Aumenta no Brasil

Autora: Elizabete Possidente

Convido a assistir o vídeo abaixo porque todos nós devemos participar na divulgação da campanha do Mês de Setembro Amarelo.

O mês de setembro se consolidou como uma época de conscientização da prevenção contra o suicídio. Isso acontece porque nesse mês é marcado pelo dia Mundial de Prevenção ao suicídio que ocorre no dia 10 de setembro. No Brasil temos também o dia 15 de setembro que é considerado o dia de prevenção a depressão.

%d blogueiros gostam disto: