Autora: Elizabete Possidente

Nos últimos meses tem faltado diversos medicamentos nas farmácias. Essa falta é consequência do desabastecimento que vem afetando todo o país.

Segundo um levantamento do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, diversos municípios relataram falta de mais de 40 medicamentos.

Essa escassez afeta não apenas as farmácias mas também os hospitais e as unidades de emergência. No momento não tem dipirona injetável, por exemplo, em todo o país.

A justificativa está no desabastecimento da falta de insumo farmacêutico ativo (IFA) que é o principal ingrediente de um remédio. Sem ele, é como se o medicamento fosse apenas uma junção de várias substâncias sem efeito nenhum.

O Brasil produz apenas 5% do IFA utilizado por aqui. O restante é importado, sendo que 68% vem da China. Somos também dependente da importação de diversos incipientes medicamentosos (“ingredientes”) e materiais para a embalagem, como blister, tinta, frascos e conta-gotas.

Considerando os lockdowns em Xangai no início deste ano que levaram a uma elevação do do preço da matéria-prima em média 200%. A guerra entre Rússia e Ucrânia prejudicou a logística, que sofreu um aumento de 300%.

Para piorar o cenário, há ainda o aumento da demanda por diversos medicamentos pela covid-19 e suas sequelas, o retorno presencial às atividades e as mudanças de tempo aumentou o surgimento de diversas doenças.

A crise causada pela pandemia da covid-19, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, alta demanda por medicamentos e as indústrias precisando produzir tudo em uma quantidade grande na mesma época do ano para o mundo todo são os responsáveis pelas prateleiras vazias nas farmácias. Ainda deve demorar um tempo para esse fluxo se normalize no Brasil e no mundo.

Publicado por Elizabete Possidente

Formou -se em Medicina em 1994. Foi médica residente do Instituto de Psiquiatria da UFRJ de 1995 a 1996. Defendeu Mestrado em 1997 a 1999 pelo Departamento de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. Durante muitos anos foi supervisora de Psiquiatria pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Foi médica perita em Psiquiatria no Manicômio Heitor Carrilho pela Vara de Execuções Penais da Secretaria Estadual de Justiça. Foi médica Psiquiatra e perita em Psiquiatria pelo Ministério da Defesa no Hospital Central do Exército e pela Auditoria Militar. Foi médica Psiquiatra e chefe do serviço de Saúde Mental da Policlínica Newton Alves Cardoso. Tem diversos artigos publicados em revistas médicas. Diversos trabalhos publicados em congressos nacionais e internacionais. Está sempre se atualizando e participando de eventos médicos nacionais e internacionais em Psiquiatria.

Se junte à conversa

2 comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

    1. Infelizmente em muitas situações não estão sendo indicados o tratamento de 1ª linha por falta. Os protocolos estão sendo renovado pelas segundas e terceiras escolhas. Isso pode prolongar tempo de doença ou levar a mais complicações. É um problema muito sério e que não vejo as mídias relatarem.

      Curtir

%d blogueiros gostam disto: