Autora: Elizabete Possidente

Existe uma correlação significativa entre fibromialgia e os transtornos psiquiátricos.
A fibromialgia é uma doença que atinge cerca de 0,2 % a 5% da população. Afeta mais mulheres, entre 35 e 44 anos de idade. Há dor generalizada nos músculos, tendões e ligamentos, sem inflamação. Existem alguns pontos com maior sensibilidade a dor.
A causa da fibromialgia é multifatorial e se manifesta, principalmente por dores difusas, cansaço, sono não reparador, problemas cognitivos, sintomas ansiosos e/ou depressivos.
Há um fator de herdabilidade de cerca de 50%, sendo que existe 13 vezes maior chance de desenvolver a fibromialgia em parentes de 1º grau.
Vários neurotransmissores parecem estar envolvidos no processo de sensibilização a nível central, que acabam influenciando na modulação da dor, cognição e humor.
O quadro clínico de fibromialgia é a presença de dor crônica por pelo menos 3 meses caracterizado por pontos dolorosos sensíveis a palpação em locais específicos a palpação pelo examinador. Há pelo menos 11 pontos de 18 pontos estabelecidos como critérios diagnósticos da fibromialgia. Sabemos que existem muitas pessoas com o diagnóstico errôneo de fibromialgia realizados por profissionais pouco familarizados com os critérios diagnósticos para a dor da fibromialgia.
Também é necessário a presença de fadiga crônica associado a dor para o diagnóstico. A alteração do sono do tipo não reparador é a disfunção do sono comum e que intensifica a dor quando não corrigido. Sintomas depressivos e/ou ansiosos também estão evidentes. Esses sintomas agravam o quadro de dor, assim como a dor agrava os sintomas de humor.
Também é necessário fazer a exclusão de outras patologias para se firmar o diagnóstico de fibromialgia, como, lúpus, polimialgia reumática, miopatias, espondilite anquilosante, hipotireoidismo, transtorno somatoforme, transtorno depressivo com dor, neuropatias anquilosantes, dentre outros.
O objetivo do tratamento é aliviar a dor e o sono reparador para a qualidade de vida do paciente.
O tratamento não farmacológico consiste em psicoterapia, psicoeducação e atividade física regular. Para aliviar a dor o exercício físico aeróbico deve ser realizado por pelo menos 20 minutos por 2 a 3 vezes na semana.
O tratamento medicamentoso varia conforme o sintoma alvo e o transtorno psiquiátrico presente. Dependendo do caso, pode ser indicado anticonvulsivantes, antidepressivos, ansiolíticos, analgésicos e indutores do sono.
A psicoterapia é sempre indicada para que o paciente consiga identificar e lidar com os estressores que contribuem com o quadro álgico da fibromialgia.
Existe uma correlação significativa entre fibromialgia e os transtornos psiquiátricos, sendo necessário o tratamento multidisciplinar para este paciente.

Publicado por Elizabete Possidente

Formou -se em Medicina em 1994. Foi médica residente do Instituto de Psiquiatria da UFRJ de 1995 a 1996. Defendeu Mestrado em 1997 a 1999 pelo Departamento de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. Durante muitos anos foi supervisora de Psiquiatria pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. Foi médica perita em Psiquiatria no Manicômio Heitor Carrilho pela Vara de Execuções Penais da Secretaria Estadual de Justiça. Foi médica Psiquiatra e perita em Psiquiatria pelo Ministério da Defesa no Hospital Central do Exército e pela Auditoria Militar. Foi médica Psiquiatra e chefe do serviço de Saúde Mental da Policlínica Newton Alves Cardoso. Tem diversos artigos publicados em revistas médicas. Diversos trabalhos publicados em congressos nacionais e internacionais. Está sempre se atualizando e participando de eventos médicos nacionais e internacionais em Psiquiatria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: